É maravilhoso, Senhor:

 

Meus braços perfeitos;

 

Quando há tantos mutilados;

 

Meus olhos perfeitos;

 

Quanto tantos não tem luz;

 

Minha voz canta,

 

Quando outras emudecem.

 

Minhas mãos trabalham,

 

Quando outras tantas menfigam.

 

É maravilhoso, Senhor

 

Voltar para casa,

 

Quando tantos não tem para onde voltar,

 

É bom: Sorrir, Amar, Sonhar, Viver

 

Quando tantos choram, odeiam e revolvem pesadelos e morrem sem viver.

 

É maravilhoso, Senhor:

 

Ter um Deus para crer;

 

Quando tantos não possuem o lenitivo de uma crença

 

É maravilhoso, Senhor:

 

Ter tão pouco a pedir

 

E tanto a agradecer