Sessão de Pretos Velhos, consultas por volta de 22:00 horas, alguns assistentes aguardando a vez de atendimento. Nesta época as sessões de consultas se estendiam até altas horas, os pontos, quando necessários, já não tinham mais o acompanhamento dos atabaques face o adiantado da hora.


Quando chega na T.E.F.L, o Manoel Nogueira Aranha que pertencia à Casa e era irmão na Maçonaria de Henrique Landi Junior (nosso fundador). Vinha acompanhado de um colega de trabalho do Jornal Gazeta de Notícias, e dirigindo-se a Pai Joaquim do Bonfim, disse:" -Hoje eu consegui trazer o meu colega (não recordamos o nome), para conhecer a
nossa Tenda. Não foi fácil, toda vez que o convido inventa uma desculpa e escapa, mas desta vez não teve jeito, está aqui. O colega do Aranha, era um cidadão de meia idade,
bastante simpático e educado, foi convidado a se despojar do paletó, tirar a gravata e os sapatos, um pouco relutante, obedeceu e logo em seguida incorporou uma entidade que deu o nome de Zé Pilintra, que muito gentil cumprimentou a todos, pediu licença a Pai Joaquim, pois precisava conversar comigo, fiquei admirado e ao mesmo tempo surpreso nunca até então o havia visto , pediu mais uma vez a Pai Joaquim que permitisse que ele conversasse comigo em particular, ali na sala dos atabaques.

 
Solicitou que eu trouxesse meio copo com água e uma vela branca comum, providenciei o que e pediu, acomodou-se em um banco ao lado e uma pequena mesa de tampo redondo e pediu que eu também ali me acomodasse em outro banco.
 

Em seguida, acendeu a vela colocou-a sobre a mesa, pegou no copo com água e rapidamente emborcou-o na mesa, de tal forma que o fundo do copo ficou para cima e a boca para baixo, sem que qualquer respingo de água escapasse de dentro do mesmo.


Começou então, a descrever minha vida (tinha de idade 18 anos), falou de coisas que só eu tinha conhecimento, fez previsões incríveis e difíceis de acreditar (naquela época), inclusive que eu não iria seguir a carreira para qual eu estava fazendo exames vestibulares e muito mais, que mudaria completamente o rumo de meus caminhos. Hoje eu posso
afirmar que não errou nada, tudo aconteceu como havia previsto.


Terminada a consulta, desejou-me, educadamente boa sorte, pegou no copo que estava sobre a mesa e rapidamente desvirou-o no ar, sem que caisse uma gota de água, entregou-me o copo, pediu que derramasse a água em local de água corrente.


Cumprimentou todas as entidades que estavam baixadas, polidamente, disse que iria retirar-se, e assim o fez.


Para complementar a narração, a bem da verdade, nunca mais encontrei esse excelente médium de Zé Pilintra (que eu não registrei o nome). Em nenhuma outra ocasião, voltou
ele á T.E.F.L.


Caro Zé, um grande abraço. Eu sei que a noite é toda sua...boa noite

Henrique Landi Neto