Era uma sessão comum de consultas com pretos velhos. Rua Angelina, Bairro do Encantado, uma das sedes provisórias da Fraternidade da Luz, por volta de 20:30 horas, quando entrou no terreiro um frequentador da Casa trazendo pela mão um cidadão de meia idade, que mais tarde soubemos ser seu irmão, com um comportamento estranho, completamente apático, como se não tomasse conhecimento de nada do que estava ao seu redor.


Lá no canto, sentado no banquinho, pitando o seu cachimbo, estava Pai Francisco de Aruanda, incorporado no seu médium o Sílvio, de saudosa recordação, grande amigo e excelente violonista.


Mas como diziamos, o assistente puxando o irmão dirigiu-se para onde estava Pai Francisco, foram providenciados mais dois bancos para que se acomodassem. Então falando ao preto velho, relatou o seguinte: " - O meu irmão, e apontou para o acompanhante, há cerca de três dias tornou-se uma pessoa completamente indiferente a tudo, não conhece os familiares, não aceita qualquer alimento, somente bebe água e expele urina, não se queixa de nada e não fala com ninguém. Como não demonstra qualquer sofrimento aparente, resolvi trazê-lo aqui, lembrei-me ser sessão de pretos velhos e vim falar com o senhor". Pai Francisco, entre uma baforada e outra do seu pito, levantando do banco onde estava sentado, chamou um grupo de médiuns que participava da sessão para ajudar em caso de descargas, pediu que colocassem o rapaz doente no centro do terreiro e através do ponto cantado com o grupo em volta, fez a descarga, inclusive utilizando o transporte de obsessores. Terminado o trabalho, Pai Francisco, falou com o consulente para
levar seu irmão diretamente para casa e que não parasse em lugar nenhum.


Após terem se retirado, o preto velho nos chamou e explicou:

" - O espírito desse filho já foi embora, o que tava com ele era um obsessor que se apossou da matéria dele no momento em que ele desencarnou e tava se aproveitando pra enganar os outros. Mas ele não pode ficar no que não é dele".


Aí, eu perguntei ao Pai Francisco:

" - Mas considerando o que foi feito um trabalho de retirada desses elementos obsessores, ele poderia ter desencarnado aqui no terreiro".
 

Respondeu o velho:

" - Não, ele foi conduzido para casa dele pelo elemento obsessor, onde deixará o corpo que não lhe pertence, e que tomou conta indevidamente.

 

Ficamos todos, em intensa expectativa, mesmo preocupados, com que o preto velho nos explicou.


E senão acontecesse..., o médium ficaria desmoralizado e Pai Francisco não escondeu nada de nenhum de nós.
 

Anciosos, aguardamos a outra semana, pois nessa em que ocorreu o fato não haveria mais atividades.


Na primeira sessão pública, da semana seguinte, compareceu o rapaz e nos comunicou que ao chegar na sua casa, trinta minutos após, o seu irmão desencarnara...

 

Obs.) Consequente a este fato verdadeiro, travamos polêmicas enormes, em uma casa kardecista que frequentamos posteriormente, por não aceitarem o relato. Mas os argumentos que apresentavam eram desprovidos de fundamentos e prevalece a verdade.


A Pai Francisco de Aruanda e ao seu médium Sílvio (já desencarnado), as nossas sinceras homenagens, pelo exemplo de firmeza e fé em suas tarefas espirituais.

Henrique Landi Neto